sexta-feira, julho 28, 2006

Qual a definicao de emigrante no dicionario?

Buenos dias...

Cada vez mais me convenco que a definicao da palavra emigrante que vem no dicionario, nao abrange nem metade das coisas que a ela estao subjacentes. Senao, vejamos:

Quais as coisas que mais se ouve falar que ligam os emigras ao seu pais (falando de emigras tugas)?

Dou me a liberdade de dizer musica (seja ela Pimba ou outra qualquer, ficando a escolha ao criterio de cada um dos emigras leitores) e o futebol. Depois cada um tem os seus costumes, as coisas a que atribui mais importancia e das quais sente mais falta, sendo dificil de generalizar isso a todo o estado de espirito emigra.

Pois bem, depois de ja ter passado pela parte do futebol, em que nos juntamos todos e mais alguns para ver a Nossa Seleccao, estejamos onde estivermos, tive o segundo episodio e meio da realidade que e a musica.

No meu caso, nao foi musica Pimba, pois tambem nao vi muito disso por aqui. Limitei me a ver o concerto do Rodrigo Leao e, umas semanas mais tarde, da Dulce Pontes. Pois bem, provavelmente e talvez com um pouco de vergonha depois do que vi, admito que seriam concertos a que dificilmente iria em Portugal. Nao porque nao goste da musica, mas simplesmente porque sim. Ha sempre uma preguica em relacao a certas coisas e parece me que estas estao ai incluidas.

Pois estando fora, as coisas mudam e as vontades alteram se. Nao tendo grandes expectativas para com nenhum deles, dos 2 sai bastante bem impressionado. De certa forma, seria expectavel pois sao dois grandes representantes do que de bom se faz em Portugal. Mas tambem me agradou ver que existe ja um publico nao portugues que se da ao trabalho de ir assistir e ainda por cima de gostar dos concertos. Um deles com direito a visita da ministra da Cultura espanhola e tudo.

Se por um lado primaram pela simpatia, ambos fizeram questao de mostrar quao dificil se torna falar portuñol para alguem que nao seja portugues, e ser entendido.

Depois ainda deu para ver um concerto de Marcelo D2, representante brasileiro num festival da cidade, que deveria trazer Seu Jorge na bagagem, mas este deve ter sido extraviado na complicacao dos voos intercontinentais. A adesao ja nao foi a mesma. A comunidade brasileira apreciadora deste tipo de musica e muito menor e a espanhola ainda menos. Assim, foi nos oferecido um concerto do mais intimista que ha. So faltava sentarmo nos todos em roda a ouvi lo a cantar e a tocar classicos dele e da musica brasileira.

Apreciacoes finais aos concertos: brutais, muito bons, valeu a pena (com alma grande ou pequena).

Outro traço caracteristico dos emigras, sera a mezcla de palavras dos 2 idiomas (... Ops... mezcla nao, mistura). Pois esse tera que ser testado posteriormente, apos o regresso a terra de Camoes. Mas pela experiencia que ja tive, nao me parece tao dificil de acontecer...

Hasta luego, emigras ou nao...

Parabens... Feliz Cumpleaños...

Apesar de nao ter escrito muito nos ultimos tempos, nao queria deixar de lembrar os aniversariantes dos ultimos tempos... Alguns mais atrasados que outros mas nao posso escrever todos os dias, por isso que pelo menos passe a mensagem:

Miguel Nunes - 10 de Maio

Simao - 20 de Maio
Arvin - 20 de Maio
Celine - 20 de Maio

Susana - 25 de Maio
Tio Ze Emilio - 25 de Maio

Ricardo - 28 de Maio

Leonor - 30 de Maio

Nuno Vasconcelos - 2 de Junho

Mae - 4 de Junho

Elias - 20 de Junho

Morgane - 25 de Junho

Pai - 27 de Junho

Tio Paulo - 28 de Junho

De Paula - 4 de Julho

Sandra - 7 de Julho

Flavie - 14 de Julho

Miguel Jesus - 21 de Julho

Yolanda - 24 de Julho

Pakikas - 28 de Julho

A lista ja vai longa. Fico me por aqui, por agora. Mas outros virao...

A todos Happy Birthday...

Hasta luego...

segunda-feira, julho 03, 2006

Solidariedade entre povos... num dia de liberdades!

Depois de uma serie de jogos e dias em que o pessoal andava animado por estes lados, esse estado espirito agora apenas resta num pequeno grupo de habitantes desta cidade. Sejam eles tugas, francius, comedores de pasta ou apreciadores de salsichas e cerveja.

Pois no que me diz respeito, resolvi alterar a minha posicao de relativamente ao jogo anterior. Depois de uma laranjada no meio de Oranges, em que apenas se ouviam os gemidos de uns poucos conterraneos de Camoes, que mesmo assim lhes deve ter dado uma dor de barriga bem forte, decidi juntar me aos vizinhos de Pessoa. Escolhi desta vez um bar irlandes (pensando eu que os ingleses desses estariam longe) onde estaria acompanhado por parte da comunidade lusa ca do sitio. Ja que e para sofrer, pelo menos que se sofra em conjunto.

Depois de ter chegado em cima da hora e de me ter apercebido que afinal o bar estava cheio, nao so de tugas mas tambem de ingleses, a metade metade, tive de ficar de pe, como os atrasados tem de fazer nestas coisas. O que e interessante e que os ingleses estavam todos ao fundo da sala e os portugueses junto a porta. Querera isto dizer que nao fui o unico a chegar tarde e que comprovo assim a minha alma lusitana?!!!

Apos 2 horas de pe, e de muita tremideira, temos razoes para saltar e gritar. A festa e imensa, o pessoal abraca se, quer se conheca quer nao. Os ingleses saem a correr pela porta fora sem abrir a boca. 2 anos depois usamo los para poder fazer a festa.

Qual nao e o meu espanto quando olho para fora e vejo milhares e milhares de pessoas a festejar. Longe de mim imaginar que Portugal era tao adorado. Vinham camioes, com cobertura aberta cheia de gente la em cima, a tocar musica electronica pela rua fora. As pessoas nas ruas respondiam a dancar ao som da mesma. Ninguem gritava Portugal, nem o fado foi ouvido. Mas de certeza que era uma prova da solidariedade entre os povos. Ja que voces festejam, nos festejamos com voces.

Num dos camioes, iam todos vestidos de laranja. De certeza que ate os holandeses reconhecendo a nossa superioridade resultaram homenagear a nossa seleccao. Nao tinham muito aspecto de virem dos paises baixos, mas tambem hoje em dia com as misturas que ha, ninguem se parece com ninguem.

So nao percebi porque traziam cartazes a falar em liberdade sexual, religiosa, etc. Mas uma pessoa da o desconto pois ha sempre aqueles que se infiltram nestes acontecimentos sem saber ao que vao. O que foi importante foi verificar que milhao e meio de pessoas estavam nas ruas a festejar a nossa vitoria. De todos os estilos e feitios. De todas as orientacoes sexuais: desde gays a hetero, passando por transexuais e outros.

E bonito ver o reconhecimento do nosso esforco e valor...

Hasta luego...

sábado, julho 01, 2006

Imagem vale mais que mil palavras





So para confirmar aquilo que tinha dito relativamente a visao dos espanhois da sua seleccao, aqui vao as capas de um jornal ao longo do mundial espanhol:

Dia 14 de Junho (ainda nem tinham jogado nenhum jogo)

Dia 15 de Junho (depois de um inicio fulgurante)

Dia 17 de Junho (ponto de referencia e a Espanha)

Dia 20 de Junho (depois do jogo contra a Tunisia em que estiveram a perder)
Dia 24 de Junho (antes do jogo com a Franca, esperando que fosse o ultimo jogo de Zidane)

Dia 27 de Junho (foi o que se viu)

E desilusao final, dia 28 de Junho


As vezes mais vale nao acharmos que somos os melhores a partida mas mostra lo depois em campo...

Hasta luego...

sexta-feira, junho 30, 2006

Balde de agua fria num quente Verao...

... so da jeito a alguns!!!

Fala se muito da alta auto estima dos espanhois. No entanto, com o pouco contacto que tinha tido com eles antes de vir para aqui, ainda nao me tinha apercebido disso.
Se ha coisas que o desporto consegue fazer, uma delas e intensificar e expor alguns sentimentos latentes nas pessoas. Pois bem... imaginem o que as interminaveis vitorias do Alonso na formula 1, os consecutivos records batidos no tenis pelo jovem Nadal incluindo varias vitorias contra o nº 1 mundial, as vitorias do Sevilha (Taca Uefa) e do Barcelona (Liga dos Campeoes) nas competicoes europeias e finalmente o inicio retumbante da seleccao Espanhola contra a Ucrania, o mais forte adversario do seu grupo, nao fazem a essa ja si baixa auto estima... Basta citar alguns dos titulos dos jornais desportivos principalmente para deixar uma ideia: apos o 1º jogo da Espanha: "Ja viram alguma equipa jogar melhor que a nossa neste Mundial?", apos o 2º jogo em que comecaram a perder dando depois a volta: "Ate a dar a volta aos jogos somos os melhores...", etc.

Pois nao e que numa 3a feira a noite, se juntam milhares de pessoas na Porta do Sol e na Praca Colon, para ver o jogo, nao esperando outra coisa que nao a vitoria. Poucos, muito poucos, os que tentavam sobressair no meio desta multidao gritando "Allez les bleus!". E na verdade, quem ri por ultimo ri melhor. No final, foi essa minoria que permaneceu ate ao fim, com a sua confianca em alta.

No dia seguinte, parecia que o Mundial se tinha tornado tema tabu. A diferenca era enorme entre as multiplas paginas que preenchiam os jornais e as conversas do dia a dia, ate essa fatidica 3a feira, e o quase absoluto silencio que se fez seguir nos outros dias. Pois se eles, tao depressa lhes sobe a estima ate la acima, mais depressa ainda se esquecem do que passou e passam a proxima, voltando a falar se regularmente da formula 1 e do motociclismo, onde tambem tem dado cartas. Nao ha lugar a remoer as derrotas e a pensar no que se passou de errado. Basta fazer uma breve avaliacao e comecar a pensar noutras vitorias que permitam avancar para o proximo desafio...

Hasta luego...

segunda-feira, junho 26, 2006

S.Joao sem martelos nem alhos porros...

Sendo o S. Joao um santo, tem como inconveniente o facto de ser conhecido universalmente, pelo menos no mundo catolico, dificultando lhe a tarefa de passar despercebido. Assim, passei eu por Alicante no dia 24 de Junho e quem nao vou eu encontrar?? Claro esta que o S. Joao e os seus festejos, que por estar em Espanha se esticam por mais uns dias. Ali, martelos e alhos porros, nem ve los. Mas outras coisas havia...

Como a imaginacao nao foi muita na altura de inventarem as festas... nao sei se no caso de Alicante ou no de Valencia (conhecidas como as "fallas") ... estas sao bastante parecidas. Como o pessoal nao tem nada para fazer e ate gosta bastante de ter o transito cortado para provocar um caos ainda maior do que o dia a dia, constroem umas estatuas feitas de algo entre a pasta de papel e uma madeira fatela qualquer. Cada uma esta a cargo de um dos bairros da cidade e outras instituicoes que tais, pois duvido que os bairros cheguem aos 180, como as estatuas. Sao expostas ao longo de 1 semana nas suas ruas para que toda a gente aprecia e para que o juri possa escolher. Como estamos em tempo de festa e a bebida deve ser muita, e necessaria 1 semana pelo menos para as ver todas, que nalguns casos devem aparecer a dobrar...
Cada uma destas construcoes tem por base um tema, que nalguns casos passa por uma critica social. E disto que o pessoal gosta.

O culminar da festa acontece no ultimo dia, o 24º de Julho. Nao sei se o S. Joao tinha algo de piromano ou de bombeiro, mas comecando nos baloes do Norte de Portugal as "fallas" de Alicante, o elemento ardente esta sempre presente. Isto porque no final da noite, toda a cidade para para ver o arder das suas obras de arte. Diz se que muitos acabam por apaga las com as lagrimas que deitam por ver o desfalecer do fruto do seu trabalho de meses...
E um espectaculo que tem tanto de impressionante quanto de perigoso. Como medidas de seguranca existem perimetros vedados as pessoas que variam entre os 10 e os 15 metros em volta. O seu interior esta reservado aos bombeiros e as suas mangueiras permanentemente atentas ao evoluir da situacao. Sao 2 ou 3 homens (ou mulheres para cumprir a Lei da parcialidade) incumbidos de molhar previamente tudo o que rodeie as construcoes desafortunadas, sejam arvores, candeeiros ou toldos das lojas em redor.

Estas obras de arte que de popular tem os temas, pois a sua construcao fica a cargo de artistas contratados para o efeito, sao cobertas de explosivos do tipo dos de Carnaval. Alguns levam inclusive fogo de artificio. A explosao dos mesmos desencadeia entao a accao por que toda a gente espera. Ai comeca a verdadeira histeria colectiva. Se antes as pessoas pediam e gritavam por agua, como que antecipando o que viria mais tarde, a partir dai qualquer estreante nestas andancas percebe o porque do ritual. Os primeiros a ceder, fartos de tanto grito ouvir, sao os vizinhos das varandas em redor. Pegam em baldes de aguae despejam nos pelo predio abaixo, sem sequer anunciar com o tao famoso "Agua vai!". A populacao exalta excepto os poucos que se esqueceram de trazer a roupa velha que tivessem por casa e que sejam apanhados desprevenidos por tal banho.

Sao 15 ou 20 minutos de puro espectaculo, histeria e perigosidade. Quando tudo esta finalmente mais calmo e o fogo sem possibilidades de ganhar esta batalha contra o Homem, os bombeiros nao resistem ao incontavel numero de "elogios" que a populacao faz questao de lhes fazer. Passam de bestas a herois num segundo, para usar uma expressao tao em voga neste tempo de mundial de futebol (nao e Scolari e Ricardo!!!). Os canticos passam de uns bem moralizadores: "Bombero cabron, moja la aficcion!!" ou "Tu aqui mojando y tu mujer follando!" para uns elogiosos "Bombero, bombero, bombero acojonudo, como el bombero no hay ninguno!".

Com tal serie de acontecimentos, penso que os futuros habitantes desta cidade (presentes nesta festa desde pequenos e incitados pelos pais a participar) nao podem fazer nada mais que nao seja seguir os hipoteticos passos de S. Joao: ou ser piromanos ou bombeiros.

Hasta luego...

PS - Nao conhecendo a historia do S. Joao, nao quero ferir susceptibilidades de nenhum leitor catolico com este post. Apenas se trata de uma brincadeira e nao de uma tentativa de inventar um novo best seller que siga as pisadas do Codigo da Vinci.

sexta-feira, maio 12, 2006

Personagens...

Acho que vale a pena dedicar um post a personagem que e o meu "grande amigo" responsavel do armazem da empresa onde estou a trabalhar. Grande amigo pois parece me que apesar das diferencas: ele alto e gorducho, eu nao muito alto e magro, ele casado e com filhos, eu solteiro e sem eles, ele espanhol e eu portugues e muitas outras que nao vale a pena desenrolar aqui; e a pessoa com quem consegui estabalecer uma relacao mais amigavel. Nao e que com os outros nao o tenha feito, mas apenas de uma forma diferente, pois parece me que muitas vezes ele sente que nao e ouvido pelos "chefes" e eu faco por ouvi lo, o que o deve deixar "encantado" com a situacao. Dai o facto de me chamar chefe, apesar da minha condicao de "becario".
Ele e a minha fonte de expressoes espanholas (apesar de nao me conseguir lembrar agora de nenhuma), de piadas venham elas de onde vierem, de boa disposicao, pois sao raros os dias em que nao esta bem disposto. Estou a falar de uma pessoa que deve medir ai pouco mais de 1,85m e pesar ai uns 110kg.
Por outro lado, em troca, e pela sede que tem em aprender linguas e ouvir musica (quase sempre hip hop, seja de onde for) sirvo de tradutor das musicas que vai ouvindo ou de intermediario nas conversas que tem com um tecnico ingles que comeca a apanhar algo do espanhol por estes dias. Esforcado e ele sem duvida, pois nao so do ingles e do portugues me faz perguntas, como, de vez em quando, ate em alemao vai dizendo alguma coisa. Nao pormenorizando o que ele sabe melhor nessa lingua, pois nao vale mesmo a pena apesar de poderem facilmente adivinhar.
No outro dia estivemos a discutir o facto dos espanhois chamarem a atencao uns dos outros por "Oye"!!!! Que mais nao quer dizer do que "Ouve"!!! Perguntou me como fazem os portugueses, tendo lhe eu respondido que na maioria das vezes o equivalente seria o "Olha!". Interessante foi a observacao que muitas vezes gostava de ser portugues porque tem coisas mais logicas que os espanhois. Isto porque na realidade quando chamas a atencao de alguem, nao queres que essa pessoa somente ouca mas tambem olhe.
Nao estara ele a visualizar totalmente a questao, pois por vezes sucede o contrario, mas nao deixa de ter a sua piada ouvir isto de alguem.

Penso que ja da para ter uma ideia de quem se trata...

Hasta luego...

segunda-feira, maio 08, 2006

Realidades...

Na 6a feira passada, fizemos a primeira festa la em casa. E giro ver as pessoas excitadas na organizacao de tal evento, durante a arrumacao da casa e sua preparacao, para que tudo corra bem. Estando a falar de 7 anfitrioes, como seria de esperar, o numero de convidados deve ter ultrapassado as 7 dezenas no seu ponto alto. A casa e bastante grande mas pode se dizer que estava bastante cheia.

Restringimo nos a 4 dos quartos da casa, os maiores por sinal. Mesmo assim deu bastante trabalho a sua preparacao e posteriormente a sua limpeza.

As pessoas presentes eram principalmente europeus, com grande predominancia de franceses, mas havia representantes de varios outros paises desde america do norte ao sul, passando pelo Irao. Asiaticos penso que nao havia, mas sinceramente so conhecia por volta de metade das pessoas. Facilmente se perde o rasto neste tipo de festas em que qualquer pessoa conhecida esta a vontade para convidar quem queira levar, sem que alguem o conheca.

Pode se dizer que foi uma festa tipica de Erasmus, em que se fala com muita gente, mas no final da noite so se sabe o nome de 2 ou 3 dos que se falou. Nao estando eu a fazer Erasmus, estou a reviver um pouco dessa vida, depois de 6 meses em Bolonha. Esta insere se numa fase inicial desse periodo, em que se vai conhecendo uma infinidade de gente que provavelmente nao se vai ver mais o resto da vida. Desta imensidao, no final restam 4 ou 5 pessoas com as quais, as vezes, se mantem algum contacto.

Penso que a maioria das pessoas gostou e agradeco a quem veio, caso esteja a ler isto.

De proximas, ainda nao ha planos... quem sabe!!! Se houver, estarao convidados...

Hasta luego...

Parabens... Feliz Cumpleaños...

Mais uma vez aqui estou para deixar os parabens aos ultimos aniversariantes...

Vera - 6 de Abril
Sofia - 6 de Abril

Luisa - 12 de Abril

Hugo - 18 de Abril
Ricardo Zenida - 18 de Abril

Sara - 19 de Abril

Marta - 6 de Maio

Rodrigo - 7 de Maio
Olivier - 7 de Maio

Nao sei porque mas a coincidencia de datas da que pensar...

Outros virao, mas estes ja estao...

Hasta luego...

Reflexao...

Apos um inicio fulgurante, tenho estado bastante parado relativamente a novos posts neste blog. Depois de varias reclamacoes, achei por bem expor aqui algo do que se pode chamar de possiveis razoes:

Por um lado, a mudanca para um mundo novo, diferente daquele a que qualquer pessoa se habitua a viver no seu dia a dia, implica uma completa alteracao de rotinas e habitos. Se estivermos a falar de uma mudanca de pais, ainda temos a diferenca de culturas a acrescentar. No entanto, ha culturas mais diferentes e outras mais semelhantes. No caso de Espanha, nomeadamente Madrid, as diferencas existem mas nao sao assim tao grandes, pelo que me foi dado a ver ate agora. Por isso, enquanto que no inicio essas sao mais claras e faceis de escrever, quanto mais tempo vai passando, maior a dificuldade em detecta las e expo las.

Alem disso, temos ainda o facto de termos passado e ainda continuar a passar por um periodo cheio de feriados, quer em Portugal, quer em Espanha. Assim, Madrid foi alvo de uma invasao lusitana. Se por um lado, da origem a mais razoes para escrever, por outro falta o tempo necessario para o fazer.

Desta forma, continuarei a escrever, provavelmente com menor regularidade que no inicio, ainda dificultado pela falta de Internet (espero que temporaria e rapidamente) mas persistentemente.

Por agora e so...

Hasta luego