sexta-feira, junho 30, 2006

Balde de agua fria num quente Verao...

... so da jeito a alguns!!!

Fala se muito da alta auto estima dos espanhois. No entanto, com o pouco contacto que tinha tido com eles antes de vir para aqui, ainda nao me tinha apercebido disso.
Se ha coisas que o desporto consegue fazer, uma delas e intensificar e expor alguns sentimentos latentes nas pessoas. Pois bem... imaginem o que as interminaveis vitorias do Alonso na formula 1, os consecutivos records batidos no tenis pelo jovem Nadal incluindo varias vitorias contra o nº 1 mundial, as vitorias do Sevilha (Taca Uefa) e do Barcelona (Liga dos Campeoes) nas competicoes europeias e finalmente o inicio retumbante da seleccao Espanhola contra a Ucrania, o mais forte adversario do seu grupo, nao fazem a essa ja si baixa auto estima... Basta citar alguns dos titulos dos jornais desportivos principalmente para deixar uma ideia: apos o 1º jogo da Espanha: "Ja viram alguma equipa jogar melhor que a nossa neste Mundial?", apos o 2º jogo em que comecaram a perder dando depois a volta: "Ate a dar a volta aos jogos somos os melhores...", etc.

Pois nao e que numa 3a feira a noite, se juntam milhares de pessoas na Porta do Sol e na Praca Colon, para ver o jogo, nao esperando outra coisa que nao a vitoria. Poucos, muito poucos, os que tentavam sobressair no meio desta multidao gritando "Allez les bleus!". E na verdade, quem ri por ultimo ri melhor. No final, foi essa minoria que permaneceu ate ao fim, com a sua confianca em alta.

No dia seguinte, parecia que o Mundial se tinha tornado tema tabu. A diferenca era enorme entre as multiplas paginas que preenchiam os jornais e as conversas do dia a dia, ate essa fatidica 3a feira, e o quase absoluto silencio que se fez seguir nos outros dias. Pois se eles, tao depressa lhes sobe a estima ate la acima, mais depressa ainda se esquecem do que passou e passam a proxima, voltando a falar se regularmente da formula 1 e do motociclismo, onde tambem tem dado cartas. Nao ha lugar a remoer as derrotas e a pensar no que se passou de errado. Basta fazer uma breve avaliacao e comecar a pensar noutras vitorias que permitam avancar para o proximo desafio...

Hasta luego...

segunda-feira, junho 26, 2006

S.Joao sem martelos nem alhos porros...

Sendo o S. Joao um santo, tem como inconveniente o facto de ser conhecido universalmente, pelo menos no mundo catolico, dificultando lhe a tarefa de passar despercebido. Assim, passei eu por Alicante no dia 24 de Junho e quem nao vou eu encontrar?? Claro esta que o S. Joao e os seus festejos, que por estar em Espanha se esticam por mais uns dias. Ali, martelos e alhos porros, nem ve los. Mas outras coisas havia...

Como a imaginacao nao foi muita na altura de inventarem as festas... nao sei se no caso de Alicante ou no de Valencia (conhecidas como as "fallas") ... estas sao bastante parecidas. Como o pessoal nao tem nada para fazer e ate gosta bastante de ter o transito cortado para provocar um caos ainda maior do que o dia a dia, constroem umas estatuas feitas de algo entre a pasta de papel e uma madeira fatela qualquer. Cada uma esta a cargo de um dos bairros da cidade e outras instituicoes que tais, pois duvido que os bairros cheguem aos 180, como as estatuas. Sao expostas ao longo de 1 semana nas suas ruas para que toda a gente aprecia e para que o juri possa escolher. Como estamos em tempo de festa e a bebida deve ser muita, e necessaria 1 semana pelo menos para as ver todas, que nalguns casos devem aparecer a dobrar...
Cada uma destas construcoes tem por base um tema, que nalguns casos passa por uma critica social. E disto que o pessoal gosta.

O culminar da festa acontece no ultimo dia, o 24º de Julho. Nao sei se o S. Joao tinha algo de piromano ou de bombeiro, mas comecando nos baloes do Norte de Portugal as "fallas" de Alicante, o elemento ardente esta sempre presente. Isto porque no final da noite, toda a cidade para para ver o arder das suas obras de arte. Diz se que muitos acabam por apaga las com as lagrimas que deitam por ver o desfalecer do fruto do seu trabalho de meses...
E um espectaculo que tem tanto de impressionante quanto de perigoso. Como medidas de seguranca existem perimetros vedados as pessoas que variam entre os 10 e os 15 metros em volta. O seu interior esta reservado aos bombeiros e as suas mangueiras permanentemente atentas ao evoluir da situacao. Sao 2 ou 3 homens (ou mulheres para cumprir a Lei da parcialidade) incumbidos de molhar previamente tudo o que rodeie as construcoes desafortunadas, sejam arvores, candeeiros ou toldos das lojas em redor.

Estas obras de arte que de popular tem os temas, pois a sua construcao fica a cargo de artistas contratados para o efeito, sao cobertas de explosivos do tipo dos de Carnaval. Alguns levam inclusive fogo de artificio. A explosao dos mesmos desencadeia entao a accao por que toda a gente espera. Ai comeca a verdadeira histeria colectiva. Se antes as pessoas pediam e gritavam por agua, como que antecipando o que viria mais tarde, a partir dai qualquer estreante nestas andancas percebe o porque do ritual. Os primeiros a ceder, fartos de tanto grito ouvir, sao os vizinhos das varandas em redor. Pegam em baldes de aguae despejam nos pelo predio abaixo, sem sequer anunciar com o tao famoso "Agua vai!". A populacao exalta excepto os poucos que se esqueceram de trazer a roupa velha que tivessem por casa e que sejam apanhados desprevenidos por tal banho.

Sao 15 ou 20 minutos de puro espectaculo, histeria e perigosidade. Quando tudo esta finalmente mais calmo e o fogo sem possibilidades de ganhar esta batalha contra o Homem, os bombeiros nao resistem ao incontavel numero de "elogios" que a populacao faz questao de lhes fazer. Passam de bestas a herois num segundo, para usar uma expressao tao em voga neste tempo de mundial de futebol (nao e Scolari e Ricardo!!!). Os canticos passam de uns bem moralizadores: "Bombero cabron, moja la aficcion!!" ou "Tu aqui mojando y tu mujer follando!" para uns elogiosos "Bombero, bombero, bombero acojonudo, como el bombero no hay ninguno!".

Com tal serie de acontecimentos, penso que os futuros habitantes desta cidade (presentes nesta festa desde pequenos e incitados pelos pais a participar) nao podem fazer nada mais que nao seja seguir os hipoteticos passos de S. Joao: ou ser piromanos ou bombeiros.

Hasta luego...

PS - Nao conhecendo a historia do S. Joao, nao quero ferir susceptibilidades de nenhum leitor catolico com este post. Apenas se trata de uma brincadeira e nao de uma tentativa de inventar um novo best seller que siga as pisadas do Codigo da Vinci.